PERFIL DO CONSUMIDOR DE OVOS E CARNE DE FRANGO DO MUNICÍPIO DE JANAÚBA-MG

L. J. MENDES, M. M. ALMEIDA MOURA, M. P. MACIEL, S. T. REIS, V. G. SILVA, D. B. SILVA, V. H. SANTANA DE MOURA, I. M. ALVES MENESES, J. L. SAMPAIO SAID

Resumo


Neste estudo foi caracterizado o perfil do consumidor do município de Janaúba-MG, em relação ao consumo de ovos e carne de frango. Foram aplicados 155 questionários, utilizando-se o método “survey”, estruturados em perguntas discursivas e de múltipla escolha e direcionados as pessoas escolhidas aleatoriamente. Constatou-se que a preferência por ovos brancos foi mais elevada (46,45%) comparada aos vermelhos (34,19%), em virtude da aparência (40,65%). Alguns consumidores acreditam que o ovo, dependendo da cor da sua casca, não apresenta equivalência nutricional (23,23%) e a maioria (45,81%) afirma que a qualidade externa é o fator que mais influencia no ato da compra. No entanto, o consumo semanal pela maior parte dos entrevistados é baixo, não ultrapassando duas vezes por semana (47,74%). Com relação à carne de frango, a maioria consome (72,99%), e o frango caipira é o preferido pelos consumidores (50,32%). Entretanto, o consumo da carne ocorre, no máximo, duas vezes por semana (56,57%). 27,1% dos entrevistados afirmaram não consumir carne de frango; destes 3,87% acreditam que a mesma possui antibiótico e 8,39%, hormônios. Do total de entrevistados, 78,06% já ouviram falar em bem-estar animal. Destes, 83,23% aceitariam pagar mais caro por um produto obtido de aves criadas em sistemas que seguem os padrões de bem-estar. 73,13% dos entrevistados aceitariam pagar mais por um ovo enriquecido nutricionalmente. Mediante o exposto, observa-se que o baixo consumo tanto da carne quanto do ovo está associado a falsas informações divulgadas relativas à alimentação das aves e ao sistema de produção. Portanto, se fazem necessários maiores esclarecimentos sobre as questões levantadas, o que pode refletir em aumento no consumo tanto dos ovos quanto da carne de frango.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15361/2175-0106.2016v32n1p%25p