COMPARATIVE STUDY OF SPLENIC PUNCTURE AND PERIPHERAL BLOOD SMEARS FOR DIAGNOSIS OF BABESIOSIS IN HORSES / Estudo comparativo entre esfregaços de punção esplênica e sangue periférico para diagnóstico de babesiose equina.

R. F. GODOY, L. A. FONSECA, A. R. TEIXEIRA NETO, E. F. FONSECA, A. M. G. B. SILVA, E. M. M. LIMA

Abstract


O objetivo deste trabalho foi o de comparar os resultados obtidos com o uso das técnicas de esfregaço de sangue periférico e de punção esplênica e de verificar uma metodologia simples e precisa para diagnóstico de babesioses em cavalos portadores subclínicos, submetidos ao esforço físico ou competições. Quinze equinos hígidos, sem sinais clínicos de babesiose, com peso médio de 350 Kg, idade entre 6 a 13 anos, de ambos os sexos e com histórico de infestação por carrapatos, foram utilizados. No esfregaço de sangue colhido  da orelha, nenhum animal apresentou resultado positivo enquanto que na punção esplênica cinco animais foram positivos para a presença de Babesia caballi ou Theileria equi. Os dois métodos são de fácil realização, seguros e pouco invasivos, porém o esfregaço da punção esplênica parece ser mais eficaz em detectar casos latentes de babesiose em equinos.

 

 

SUMMARY

 

The objective of this work is to compare the efficacy of the splenic puncture and peripheral blood smear techniques to determine a simple and more precise method to diagnose  subclinical babesiosis in horses submitted to physical effort or competitions. For this purpose, the splenic puncture and peripheral blood smears of fifteen healthy horses, weighing an average 350 Kg, aged between six to thirteen years, of both genders, without clinical signs of babesiosis and with history of tick infestation were compared. The peripheral blood smear collected from the horses' ear were all negative for babesiosis. However,  the splenic puncture blood smear was positive for Babesia caballi or Theileria equi in five animals. Both  methods are little invasive, safe and easy to be performed, but the splenic puncture smear seems to be more effective to detect chronic babesiosis in horses.

 

 




DOI: http://dx.doi.org/10.15361/2175-0106.2011v27n4p211-215